quisera um dia

eu não chamaria isso de poema, afinal, falta muito para isso, porém como tudo precisa de prática, posto… me dê uma emoção, seja ela boa ou ruim, mas que seja verdadeira e intensa, nem que por um segundo…

eu a quis, foi sonhado, desejado e esperado… mas não aconteceu… e fica aquela coisa assim meio esquisita… e se não pode parar nas cordas do violão, as palavras estão aí…

“rola lágrima solta…
tinhosa como o cão…
intensa, silenciosa…
que as cordas do violão
não traduzem…
não exprimem…
fica um silêncio engasgado..
como um tampão
em cima do coração
sufocando um gritar…
olho dentro
sem saber o que encontrar
e dá vontade de rasurar
de rasgar…
volto ao violão,
os acordes menores,
que lindo soam…
parece que ecoam
num vazio fervilhante,
feito um braseiro aceso
onde deito minhas
vontades e desejos…
teu cheiro doce,
preenche agora minha
memória…
quisera um dia,
que preenchesse
meus abraços…”

Anúncios

eu tive um sonho

Hoje na tv, um comentarista inicia assim “eu tive um sonho, mas não como o de Luther King…” nesse instante parei o que estava fazendo e fui prestar atenção… e continua “eu sonhei com um campo de golfe… em que estavam Moisés, Jesus e um velhinho muito velhinho…” e aí comecei a dar meus palpites.. do que será que é o comentário? Moisés, judaísmo, Jesus, cristianismo… deve ser coisa de oriente médio… mas tem o velhinho muito velhinho.. não, isso não é Maomé…  Deus talvez… é está com jeito de ser Deus… e continua… “Moisés dá a primeira tacada, a bola cai na lagoa, e Moisés vai até lá, as águas se abrem, e dá a segunda tacada… e cai no buraco”,  pensei… ok… mas e cadê Maomé? e nisso continua o comentário… “Jesus dá a primeira tacada, e a bola cai também na lagoa, entretanto, cai sobre uma vitória régia, Jesus caminha sobre as águas, e dá a segunda tacada… e a bola cai no buraco…” nisso já estou interessado mais na piada do que em saber de Maomé, Buda, ou Shiva… e terminando “nisso o velhinho bem velhinho, dá a tacada, a bola atravessa o campo, bate na carroceria de um caminhão, a bola segue até o riacho, em que um sapo come a bola, e quando vai voltar para o riacho, um gavião o pega, e quando sobrevoa o campo, larga o sapo, e ao cair bate com o peito no chão e a bola salta para fora e cai no buraco… nisso Moisés olha para Jesus, e diz – cara como é chato jogar golfe com seu Pai…”

Eu desatei a rir, não tanto pela piada, mas pela minha piração. Quando se tem uma necessidade de saber o por que, para que e para quem, acaba por se esquecer do que apenas é, porque as coisas que apenas são partem do pressuposto de que a gente aceite que apenas são, não necessariamente concordando ou assumindo partido, mas apenas aceitando que apenas são. Os motivos existem com certeza, eu realmente não acredito numa natureza que apenas é, mas que são motivos que fogem a minha capacidade de abstração, e como não dá para ser católico sem acreditar na hóstia, eu como espírita, acredito que se reencarna, partindo então dessa premissa um dia entenderei, não nessa vida com certeza, porém entender não me servirá de nada se não conseguir respeitar desde já, uma forma diferente da minha de pensar, agora… a hora que alguém conseguir fazer isso, por favor, me ensine…

dia dos namorados

que porre, ou melhor que ressaca, é um dia dos namorados sozinho… mas ao mesmo tempo tenho cá minhas dúvidas se realmente é tão ruim assim… estava hoje pela manhã ouvindo um pod cast em que o pessoal mandava lá um email, solicitando que o locutor desse um recado, uns pedindo desculpas, outros pedindo para que largassem do pé… uma série de circunstâncias estranhas… um caso de um rapaz que pedia que a mulher dele o desculpasse pois depois do ménage a trois que ele participou com ela, ele se encantou com a amiga que participou, largou da mulher, foi atrás da amiga, e depois a amiga deu um pé na bunda dele, ele voltou com a ex, e a ex, que agora é a atual, não o perdoava pois ele havia largado dela por outra que havia participado do ménage, mas havia voltado com ele, e ele pedia desculpas publicamente…

bom, vamos por partes nessa história… pra começar ele acabou de perder uma peça raríssima que é a esposa, afinal ele disse que em x tempo seria o aniversário da filha de dois anos deles, perceba, uma esposa que aceita participar de um ménage, ou deve amar muito ele, ou deve ser doida, ou adorar uma boa sacanagem… aceitá-lo depois dele levar um pé na bunda da outra… que ela conhece, sabe como faz e o que faz… enfim detalhes irrelevantes aqui… aí o cara quer fazer uma desculpa pública?? assim “amor desculpe por ter ficado com a amiga com quem nós fizemos ménage!” bom, eu jamais gostaria que soubessem que minha esposa aceita um ménage… já imaginou a quantidade de gente, tanto homens quanto mulheres, que iriam querer conferir? penso que tenha sido uma estratégia péssima… é dizer pro lobo aonde tem uma ovelhinha sequiosa por um lobo mal… e quanto mais malvado for, melhor!! e nisso entram as lobas também… será que no ménage ela não achou mais interessante a amiga do que o marido? abriu-se um novo nicho de mercado… e consumidores em potencial irão aparecer… o cara deveria ter ficado quieto, sossegado o facho e curtir a esposa tarada e boba ao mesmo tempo (o melhor de dois mundos), na santa paz do lar… e uns pulinhos num clube de swing de vez em quando…

outro caso que ouvi foi de um engenheiro naval que largou a namorada em uma praia e foi embora, e agora reclamava que ela não falava mais com ele… afinal, porque será que ela não falava mais com ele?? fiquei pensando… que tipo de homem, larga a mulher numa praia e vai embora, assim como se não fosse nada, ela deveria ter arranjado uns amigos e dado o maior cacete nele… ou pelo menos ver ele tingir as calças de marrom…

há outros casos também, e fiquei pensando, como deve estar difícil para uma mulher encontrar alguém que valha à pena, porque sinceramente, tem homem que só é homem na identidade… largar a namorada na praia? escancarar que a mulher topa ménage? ela aceitar chifre ou dividir o companheiro? fico pensando, será que todo esse preço é apenas para não se sentir sozinha? se é que se considera isso um preço, enfim, me leva a pensar que deveria lançar uma campanha pela valorização da mulher já!!

já que falava de valorização da mulher, veja só, Nelson Rodrigues afirmava, (na década de 1950 – salvo engano) que mulher precisa é ser interessante, e mulher bonita a gente encontra aos montes afinal estamos no Brasil!! mas o que faz uma ser interessante e outra não? isso vai de cada um, alguns itens que considero interessante: discreta, inteligente, que tenha ideias próprias, e saiba se valorizar, e há que se fazer um aparte aqui, esse se valorizar não tem nada a ver com o se parecer um pedaço de carne a ser disputado pela matilha… o restante uma academia, maquiagem, plástica, roupas com caimento, leitura, resolvem ou amenizam, mas aqueles itens anteriores, são fundamentais… e não precisa explicar o porque… e isso são coisas acessíveis a qualquer uma… não é necessário nascer interessante para ser interessante, pode tornar-se interessante… e isso é algo extremamente democrático… será que isso é algo difícil de se encontrar?? assim como está difícil para uma mulher, para nós também está… qualquer uma tem aos montes… mas alguém para além de um passa tempo está difícil…

feliz dia dos namorados para você que tem alguém, cuide muito bem dele ou dela!! deixe de pegar no pé por bobagem, se for para brigar, que seja por motivos realmente sérios…

sei lá…

tem coisas que fogem ao meu entendimento… sou um defensor do sexo feminino até os dentes… todas as mulheres que passaram por minha vida, foram importantes e tenho um carinho imenso por todas elas, e aprendi muito com elas…

saiu uma matéria num jornal daqui de bh, dizendo de um pai que manteve sua filha em cárcere privado não sei quanto tempo e não sei quanto filhos teve com ela (ótima referência essa), enfim, é irrelevante aqui os pormenores…

como todo dia gosto de tomar café numa padaria aqui perto de casa (isso quando não saio atrasado para a faculdade), afinal posso aproveitar e conversar com o pessoal, e tinha lá um senhor com este jornal embaixo do braço e comentou de uma matéria de capa que não me recordo… na sequência, fiz o seguinte comentário – “problema não é esse, pior é essa matéria!” e apontei para a mesma no jornal… para encurtar… o senhor termina seu comentário dizendo que o problema não era só o homem…

aí depois do primeiro impacto do comentário… a gente fica meio bobo… pensei… pô, como é que é?? um pai, abusa da filha, faz filhos nela, e aí ela tem também responsabilidade??? como assim??? dá pra explicar isso melhor?? mesmo que na possibilidade que realmente houvesse por parte da filha consentimento, ou talvez desejo… jamais seria legítimo que um pai, ou alguém que se pressuponha um, se desse o direito de fazer isso…

enfim… coisas da vida, que não entendo, e sinceramente não quero entender… acredito que uma pessoa deve ter problemas para agir dessa maneira, independente qual… mas creio que mesmo não tendo o direito de julgar um ato desse tipo, é um ato que não tem justificativa, talvez explicação médica, psicológica ou de vida passada, mas não justificativa, isso nunca… então não dá pra dizer “o homem não é o único responsável!” pô… é diferente da vizinha boazuda dar em cima de você, e você casado dar uma pulada de cerca, ou ela casada, tanto faz… o que também não concordo, mas cada um pensa como quer… porém é diferente.. aliás muito diferente…