anotações IV

conversa entre três caras, ele chega e diz que recém casou, o outro pergunta, “e aí tá aproveitando pra comer as outras?” ele responde que não… o outro duvida e fica zoando… e isso por incrível que possa parecer, me irritou… o cara recém casado, e o outro incentivando a trair… pergunto, se o cara fosse marido da irmã, ele diria isso? nisso o terceiro faz o seguinte comentário… “quer trair, traia, mas depois não reclame a hora que aparecer alguma coisa na testa…” quando ele terminou o comentário não consegui me segurar me intrometi na conversa e concordei… depois fiquei pensando… tem cara que realmente merece chifre… não pela traição em si, que isso merece um pé na bunda… mas por ser babaca…

Anúncios

musa

apenas como uma abstração, lembrando de uma entrevista que ví de um músico que falou algo nesse sentido. Se atribuíssemos as partes do corpo profissões, diríamos talvez,  que a medicina fosse o coração, as engenharias fossem as pernas, a filosofia o cérebro, e por aí adiante, e ao ser questionado sobre o que seria a música, sua resposta foi essa, “ela seria o brilho nos olhos… um ser humano pode sobreviver de forma fisiológica, mas ele pode sonhar sem o brilho dos olhos?” aí complemento, sem sonhar o ser humano pode ir à algum lugar? esse brilho nos olhos, é o que nos mantém vivos e pulsantes… é aquele desejo ardente que nos invade e toma conta do que somos… e eu me recuso a perder isso… eu me recuso a apenas ser mais um… até um bom dia ou um abraço, há que ser especial, pois coloco minha alma nesses instantes, não será o melhor que há é óbvio, pois seria arrogância e burrice pensar dessa forma,  mas é o melhor que tenho… e por mais que as vezes me sinta um tolo me apaixonando por alguém, ou por uma causa… não desisto de acreditar… afinal, sou músico (meio boca é verdade), e não deixo de sempre estar apaixonado, apenas vamos trocando de musa… o que é uma pena… que bom seria se tivesse sido apenas uma…

anotações III

O texto que segue escrevi já a algum tempo, e resolvi postar…

uma traição conjugal (independente homem ou mulher), é como se fosse um dos sócios da empresa metendo a mão no caixa… não dá pra continuar com nenhuma das duas sociedades… ah! foi no namoro? é a mesma coisa como se fosse no rateio para abrir a firma… eu sendo terceiro na relação, quando for ocupar o lugar do atual, existe algum precedente que afirme que eu não estarei na mesma situação que o titular está no momento, isso dentro de algum tempo? de quem é a decisão de que isso aconteça? minha ou dela? se a decisão é dela… como posso afirmar que ela será digna o suficiente de terminar comigo antes de começar com outro, se ao começar comigo ainda estava com outro? isso é como quando a gente conhece alguém que bebe, por que é que ela irá parar de beber depois? se a decisão de beber ou não é única e exclusivamente dela? se a gente quer alguém que não beba, então procuremos alguém que já não bebe desde antes… ao contrário de ficar esperando que a pessoa pare por qualquer motivo que o valha… agora transporta isso para a fidelidade… é a mesma coisa… e usando da analogia da empresa… é querer abrir uma empresa com um sócio que a gente sabe que meteu a mão no caixa da empresa anterior… confiança e cumplicidade numa vida à dois, é básico… e no final das contas… merda não são rosas… as pessoas são o que são e só mudam quando precisam… e não temos absolutamente nenhum poder sobre isso… e as vezes nem sobre nós mesmos…

tu risa / sueño en la floresta

O texto que segue abaixo do vídeo é do Neruda, portanto dispensa comentários, e ao ler escutando “Sueño en la Floresta” ficou assim algo tão interessante, é claro que viajei em meus pensamentos, e resolvi postar, enjoy it!!

Tu risa

Quítame el pan, si quieres,
quítame el aire, pero
no me quites tu risa.

No me quites la rosa,
la lanza que desgranas,
el agua que de pronto
estalla en tu alegría,
la repentina ola
de plata que te nace.

Mi lucha es dura y vuelvo
con los ojos cansados
a veces de haber visto
la tierra que no cambia,
pero al entrar tu risa
sube al cielo buscándome
y abre para mí todas
las puertas de la vida.

Amor mío, en la hora
más oscura desgrana
tu risa, y si de pronto
ves que mi sangre mancha
las piedras de la calle,
ríe, por que tu risa
será para mis manos
como una espada fresca.

Junto al mar en otoño,
tu risa debe alzar
su cascada de espuma,
y en primavera, amor,
quiero tu risa como
la flor que yo esperaba,
la flor azul, la rosa
de mi patria sonora.

Ríete de la noche,
del día, de la luna,
ríete de las calles
torcidas de la isla,
ríete de este torpe
muchacho que te quiere,
pero cuando yo abro
los ojos y los cierro,
cuando mis pasos van,
cuando vuelven mis pasos,
niégame el pan, el aire,
la luz, la primavera,
pero tu risa nunca
por que me moriría.

(Pablo Neruda)

anotações

“Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém…
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim…
E ter paciência para que a vida faça o resto…”
William Shakespeare

“Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las.”
Voltaire

“Nada lhe posso dar que já não exista em você mesmo. Não posso abrir-lhe outro mundo de imagens, além daquele que há em sua própria alma. Nada lhe posso dar a não ser a oportunidade, o impulso, a chave. Eu o ajudarei a tornar visível o seu próprio mundo, e isso é tudo.”
Hermann Hesse

Creio que essas três citações descrevem muito daquilo em que acredito, e permeando entre as mesmas, diria que a liberdade como maior bem em vida, e o respeito a individualidade alheia como método, é o que azeita essas engrenagens. Afirmar que consigo trazer esse conjunto a minha prática diária, seria antes de mais nada enganar-me por completo, entretanto como ideal a ser alcançado, isso sim, é um esforço diário e uma escolha feita a cada instante, mas favor não confundir bondade com burrice, o espaço geográfico da minha vida está muito bem delimitado, quer entrar? Peça licença… Não entre tratorando, visto que será apenas uma única vez, e sem estardalhaço irá encontrar muro e fosso ao redor. Estabeleço alguns parâmetros básicos, quero entrar na vida dos outros? Peço licença, e aguardo a concessão. Preciso sair? Saio pela porta dos fundos discretamente, que é para não fazer alarde nem atrapalhar aos demais… O que tenho para compartilhar com todos que passam por minha vida, é a busca incessante por aquilo que a pessoa tem de melhor, pois quem sabe por uma palavra amiga, ou por um gesto de carinho meu, naquele coração brilhe uma luz que venha a iluminar um vasto talhão… e agir assim na minha opnião, é apenas obrigação… e digo, é difícil pacas!!!

anotações

quer fazer algo de bom pelo mundo? faça algo que lhe deixe realmente feliz e que seja algo que ninguém tenha perdido qualquer coisa para que isso acontecesse (nem você mesmo, afinal encher a cara pode lhe deixar feliz, mas a sua saúde não), e compartilhe esse momento com as pessoas ao seu redor, seja por um sorriso, por um bom dia, por palavras amistosas ou por gestos de carinho, impregnados por esse sentimento de alegria que habita em você, e o ambiente em torno de você mudará… e o universo tratará de replicar isso…
ps.: não, não fumei nada, nem estou sob influência de remédios… apenas compartilhando algo que achei legal.. xD

nota mental

“o poder é amoral, visto que é uma ferramenta, imoral ou moral é q se faz com ele, e que também é mutável, pois o que é certo ou errado (portanto ético ou não) varia de acordo a época e a cultura de cada povo ou civilização…”

caso isto seja citação de alguém, por favor informar…