música

Antes de reencarnar, havia algumas filas, aonde a gente entrava para fazer o pedido do que queria, por exemplo, ser rico, ser bonito, e etc…aliás estas duas por acaso eram as filas mais cheias… tinham outras mais interessantes, como por exemplo ser safado… abrindo um parênteses, esse safado não significa ser mau caráter… há diferenças… é aquele tipo de safado  que toda mulher gosta que frequente a sua cama, tapete, mesa, ou qualquer lugar que a imaginação, as leis da física e o tamanho do mesmo (precisa explicar?) permitam…

Cheguei aonde tinha uma, aliás curitibano gosta de fila e isso já deve vir de antes, perguntei para um querubim que estava fornecendo senhas, aonde era a da sensatez, e me disse que era aquela mesmo… mas para meu azar, era a da timidez, ele entendeu errado, ou estava surdo, ou sei lá… mas já estava feita a caca… acabou sobrando timidez e faltando sensatez…

Como a timidez é uma nhaca, as músicas que postei no meu canal, com a exceção dessa abaixo e das religiosas, todas foram deixadas para alguém, por qual motivo? esse mesmo… timidez, sempre foi uma forma de tentar externar algum sentimento, ou apenas, “oi achei você interessante…” então como essa abaixo apesar de já tê-la gravado antes sob as circunstâncias descritas anteriormente, regravei sem ser para alguém, e gostei… apenas pra tirar uma onda de cantor, e até que ficou legal!! ok, até que ficou não significa que ficou… mas cuida da voz, cuida do ritmo, cuida disso… e etc… e muito interessante… se bem que eu deveria mesmo era estar estudando para as provas enquanto escrevo isso… mas já que me deram a indicação errada da fila da sensatez…

R.I.P.

Nada mais de histórias, de causos, do “é uma tragédia!!”, de um pouco de macroeconomia, nem de honda civic… enfim… tudo e todos tem começo, meio e fim, e cada um que passa por esta terra cumpre uma missão, uma tarefa ou talvez apenas passem… mas há pessoas que gostaríamos que permanecessem mais tempo em nossas vidas, e as vezes não é possível e nem sequer lícito, pois chega ao extremo do egoísmo querer que fiquem, sob circunstâncias que se realmente gostamos como dizemos que gostamos, não poderíamos querer que ficassem… e cada um dará a sua visão religiosa de vida a sua continuação… eu creio que sempre nos reencontraremos um dia… mas até então apenas saberei com certeza quando chegar a minha hora, e aí sim, talvez possa testemunhar, mas talvez não tenha como compartilhar, ou sim, ou sei lá, ou não sei… mas com certeza o que se pode dizer é que o que fica para a imortalidade, isso saindo dos conceitos religiosos, o que fica é aquilo que se deixou de exemplo, de vivência, aquilo que ficará na memória das pessoas e em seus corações… enfim… Ernani vá em paz, foi um prazer e uma satisfação lhe conhecer, e conviver durante esse pouco tempo que foi… gostaria que tivesse sido mais.

despedida

Pierre Verger, em entrevista concedida à Gilberto Gil, ao ser questionado se incorporava na roça de Candomblé, responde que “sou um idiota francês racionalista que não se deixa levar…” ou algo próximo a isso, como foi ele quem disse e não eu, reproduzo.

Como era comum na minha infância a criação dos filhos estar sob a tutela da mãe, comigo e meus irmãos não foi diferente, e sendo ela filha de alemães e franceses, então sou um idiota racionalista que tem essa herança cultural, a também nunca incorporei numa roça de Candomblé e nem fora de uma, e aporrinhava minha mãe de santo querendo entender o porque aquilo funcionava, tinha que ter um porque, aquilo não podia ser apenas assim e pronto…

Pergunta, o que tem isso em relação a despedida? diretamente nada… indiretamente, sei lá… mas uma das coisas que gosto, sendo um idiota racionalista que se deixa levar um pouco sim é verdade, é observar o ser humano, e de preferência as pessoas ditas “simples”. Por que ditas “simples”? Porque a maioria acredita que pessoas sem estudo são “burras”, porém a verdadeira burrice de quem se considera inteligente é confundir ignorância (falta de conhecimento) com falta de sabedoria (burrice, idiotice, manezisse, e etc…) e as pessoas “simples” muitas vezes dão verdadeiros testemunhos de sabedoria… e que prazer é poder colher essas flores de ensinamentos cultivadas por essas pessoas, muitas vezes com sangue suor e lágrimas… (ok, é do Churchill essa citação, mas tá valendo…)

esse texto foi escrito no último dia de aula no prédio antigo, quando depois da aula fui me despedir das tias do elevador, do pessoal da garagem e da lanchonete, pessoas com quem convivi um ano com muitas conversas interessantes, e que nos emocionamos ao nos despedirmos… e merecia um registro disso…

alegria

quem não sonha, morreu e esqueceu de deitar, mas como fazer as pessoas sonharem de novo? creio que infundindo a alegria nas pessoas ao nosso redor… não aquela alegria jocosa de escarnece-las, nem zombando-as publicamente… mas encher-se da alegria pela vida e transmití-la através de um sorriso, de um abraço ou aperto de mãos… apreciando o outro pelo ser humano que está ali, independente escolhas e crenças, seja concordante ou não, mas respeitando o direito que cada um tem de seguir o seu caminho… compartilhando o maior bem que um ser humano pode ter, que é a liberdade…