ano novo

esta data é para mim, a mais importante, não porque significa festa, mas no sentido de um reinício, um recomeço… cada ano novo é um recomeço, uma volta da Terra ao redor do Sol, um novo ciclo das estações (sentido figurado), dos meses, dos dias… porém um ano mais velho…

a certeza de que o tempo passa… de que as coisas mudam, de que nada é estático, e se alguém está parado… está contra a estrutura de toda a vida, que é pulsante, em sístoles e diástoles… contraindo e expandido inúmeras vezes… assim é o universo no meu entender, um movimento continuo… ficar estagnado é contra esse mecanismo…

o ano novo representa isso… novas promessas, novos compromissos assumidos consigo mesmo, que ao chegar o carnaval vai tudo para o vinagre… mas são as luzes (seja lá o que significa isso) inspirando a parte da humanidade que baseia sua contagem de tempo no calendário ocidental… idealizo essa data como sendo um tempo para se pensar, avaliar o que passou, contabilizar as conquistas e os fracassos, fazer um balancete, afinal, não sabemos quando será o balanço final…

um feliz 2012, com muita saúde, paz e prosperidade… uns dizem que a humanidade vai acabar… eu sinceramente, já passei por alguns “apocalipses” e continuo por aqui… mas se por acaso esse for o verdadeiro… bora viver, que se for que nem raspa do fundo da panela, onde o finalzinho que é o gostoso… então será uma delícia! =)

deserto

Não posso negar… sou de quando ele cantava junto com o irmão… e já faz tempo… mas essa é uma das músicas mais bonitas que conheço…

musicalmente é melodiosa, e a versão em inglês é bonita, mas em português ficou muito mais interessante, ainda mais que se avizinhava a morte dele… não sou apreciador do estilo sertanejo apenas por ser sertanejo… mas gosto de músicas que tenham algo de intrínseco, como aliás tudo o que me rodeia… tem que ter essência, tem que ter conteúdo… e não nego que é uma chatice ser assim… mas a gente vem com um monte de defeito de fabricação… não é mesmo? fazer o que… até que dá para fazer uma meia sola aqui, outra acolá… mas não faz milagre… e viajando na letra… por mais que o sorriso venha fácil… que as palavras ajudem a enxugar lágrimas… que as canções toquem os corações… tudo isso nasce num deserto aqui dentro difícil de lidar… afinal, solidão quem pode evitar? e como diria Djavan, sabe lá o que é morrer de sede em frente ao mar, sabe lá… enfim… tem coisas que são assim mesmo… de tanto que a gente acostuma com migalhas emocionais, pois as pessoas são sovinas com sentimentos, que quando vê uma mesa farta… não sabe se portar, só falta perguntar, mas é tudo isso? fica então o aprendizado… de tanto jogar para o universo coisas boas, de repente ele lhe joga algo bom… e essa foi além do que eu conseguiria imaginar, mas foi como se fosse num jogo de beisebol.. e eu tava sem luva, não deu pra pegar a rebatida…