anotações

não há certo ou errado, há objetivos, se coincidem, ok, se não, deixa pra lá… se os jeitos não combinam deixa pra lá também… ninguém pode ser roda quadrada na carroça de ninguém… se não for pra somar… é burrice não deixar pra lá… jogo de poder só termina em duas coisas, capitulação e espólio… vai se construir o que a partir disso? ninguém é posse de ninguém… se escolhe a cada instante estar ou não com alguém, e isto é soberano… liberdade e respeito são os  maiores bens que se pode compartilhar com outra pessoa… se você não entender isso ou se isso não for importante… não há nada aqui comigo que irá lhe interessar… sério… não espere ser laçada feito terneiro fujão, isso é ser coisa… e coisa não me interessa…

anotações

a pessoa tem todo o direito de ser coisa… mas depois não pode reclamar de ser tratada como coisa… quer fazer cú doce? faça, mas lembre que tudo que precisa apreciar, é porque já está depreciado… quer fazer a opção por disputa de poder? ok, fique como espólio de quem a trata como coisa… ou como pedaço de carne disputado pela matilha… o que eu quero vai muito além disso…

recomeçar

“A vida tem sons que pra gente ouvir
Precisa entender que um amor de verdade
É feito canção, qualquer coisa assim,
Que tem seu começo, seu meio e seu fim”

gosto desse trecho da letra, tudo na vida tem começo, meio e fim… inclusive a própria vida… amores, dores e alegrias seguem esse movimento, como sistole e diástole… tudo no universo (ou nos multiversos) seguem esse padrão de expansão e contração… não creio que saibamos de fato quando é que se alterna os movimentos devido a sutileza da mudança, ou pelo menos percebo assim… e entre tantas dúvidas, a única certeza que sempre é tempo de recomeçar, de rever conceitos, de se desafiar… de sair do estado de imobilidade, que esse sim vai na via contrária a dinâmica da vida…

talvez seja hora de recomeçar a cuidar do coração, deixar esse medo de amar de lado… não significa que, por causa de alguns espinhos se deve deixar de amar as rosas… uma me feriu fundo demais… mas o que é da vida sem o viço, a cor e o perfume das rosas? é uma vida sem poesia, sem encanto, e sem graça… fica insossa…