O golpe é paraguaio…e a embaixadora dos EUA é a mesma

rsurgente

Liliana Ayalde, embaixadora dos Estados Unidos no Brasil. Seu posto anterior foi na embaixada dos EUA no Paraguai. Coincidência? Liliana Ayalde, embaixadora dos Estados Unidos no Brasil. Seu posto anterior foi na embaixada dos EUA no Paraguai. Coincidência?

Por Caco Schmitt (*)

“O controle político da Suprema Corte é crucial para garantir impunidade dos crimes cometidos por políticos hábeis. Ter amigos na Suprema Corte é ouro puro”.

A afirmação não é de agora e nem de quem critica o STF por não prender o Cunha, por enrolar a posse do Lula etc. Foi feita há cinco anos pela pessoa que hoje é a embaixadora dos Estados Unidos no Brasil, Liliana Ayalde. A diplomata exercia o cargo de embaixadora no Paraguai (de 2008 a 2011) quando se reportou ao governo norte-americano, relatando a situação do país. Ela deixou o cargo poucos meses antes do golpe que destituiu o presidente do Paraguai, Fernando Lugo, mas deixou o caminho azeitado. Aqui no Brasil, no cargo desde outubro de 2013, esta personagem é…

Ver o post original 1.537 mais palavras

Anúncios

Resposta a Pondé

Blog

dam bud_5

Arthur Hussne Bernardo

Terrorismo ideológico e desinformação. É isso – e nada mais – que encontramos no artigo “História do Brasil do PT” de Luiz Felipe Pondé. Publicado no dia 18 de abril, esse escrito avança a seguinte argumentação: agora que o impeachment está praticamente dado, há que se levar a cabo a destruição da esquerda. Para isso, é necessário acabar com a hegemonia cultural instalada pelos petistas e seus consortes, começando pela universidade, pois é lá que se forma a História do Brasil construída pelos esquerdistas de carteirinha; história que será ensinada a nossos filhos e netos – produzindo, por meio da doutrinação eficiente dos professores, mais um exército de esquerdistas empedernidos. Ademais, é necessário se dar conta da inexistência de uma “opção liberal” no Brasil e, assim, tentar fincar raízes liberais não apenas na universidade, mas em todo os grupos que edificam a cultura brasileira. Claro que isso…

Ver o post original 1.113 mais palavras

Michael Löwy: “Não há contradição em defender a democracia e combater as políticas neoliberais do governo”

Blog da Boitempo

michael löwy blog da boitempo

Entrevista especial com Michael Löwy.

No contexto do lançamento do livro Michael Löwy: marxismo e crítica da modernidade, de Fabio Mascaro Querido, que retraça a trajetória intelectual e política de Löwy e oferece um panorama do conjunto de sua obra, o sociólogo franco-brasileiro concedeu uma entrevista à Folha de S. Paulo em que discute a conjuntura política e econômica do Brasil, a onda conservadora global e os desafios e possibilidades abertas para a esquerda mundial. No entanto, somente alguns fragmentos da entrevista realizada por Natália Portinari foram aproveitados na matéria publicada. Por isso, o Blog da Boitempo publica a seguir, a versão integral da entrevista. Saiba mais sobre a promoção de lançamento do livro ao final deste post!

***

Qual o papel do marxismo e do pensamento socialista hoje? Estamos em um momento de polarização política, em que, talvez, jogos concretos de interesse (PT vs. pró-impeachment/ Donald Trump vs. democratas/ na Europa, xenofobia…

Ver o post original 2.025 mais palavras

É preciso falar sobre

Café com Beijo

Estou escrevendo o texto mais difícil da minha vida, mais difícil que falar dos quilos que eliminei, das desilusões, das defraudações emocionais, mais doloroso  que os relacionamentos abusivos. Hoje, 16 de março, eu estava assistindo pela internet o capítulo do dia 11 de março da novela brasileira Totalmente Demais. Eu nunca chorei tanto, nunca nenhuma cena me comoveu tanto como a cena do ataque de pânico da personagem Eliza, que quando ia fazer em ensaio fotográfico notou o seu padrasto no estúdio, o padrasto que tentou abusa-la várias vezes. Eu chorei porque eu conheço esse mesmo pânico.

Se fala muito sobre os pedófilos que estão na internet, nas ruas, pouco se fala sobre os mais perigosos e comuns, o que estão dentro de casa, os “amigos” da família, o tio legal, o abusador que almoça com a família, na mesma mesa, o abusador que é da família. Falar sobre isso…

Ver o post original 1.000 mais palavras