fim dos tempos

Assistindo ao que está acontecendo no mundo, no que diz respeito ao confronto entre as potências, obrigatoriamente sou levado a me lembrar da minha infância e adolescência. Nessa época, nas festas de fim de ano, mais especificamente na noite da véspera de ano novo, tenho a lembrança de orarmos em casa pelo ano que se iniciava e, por não termos sofrido com o inverno nuclear onde restariam apenas as baratas.

Sendo um legítimo SRD safra 74, peguei apenas o final desse período da história. Passei por inúmeros “fins de mundo” sobrevivendo à todos eles. Lembro da queda do muro de Berlim, lembro das lágrimas de muita gente vendo pela TV aqueles doidos se abraçando em cima do muro. Quiça o mundo agora respirava mais tranquilamente.

Ainda tenho na memória a sensação de saber que mais um ano tínhamos sobrevividos. Trago as marcas de uma geração que sabia o que era uma bomba de nêutrons, que ouvia rádio de ondas curtas como se estivesse praticando um ato ilícito (herança dos anos de chumbo) ouvir a radio de Moscou transmitindo em espanhol era algo altamente subversivo.

Enfim, entra frases meio desconexas carecendo de melhores conectores, no mesmo compasso em que volto a ouvir redemocratização, assisto aflito o mundo voltar a arder. Não há palavras que possam traduzir a tristeza que aos poucos vai tomando conta e as memórias que vão ganhando contornos reais de um tempo que deveria servir de alerta, porém, permanecer no passado.

Fim dos Tempos