Sobre Juan Gamarra

Analista Internacional

Espíritas progressistas – isso existe?

Blog da ABPE

Depositphotos_6171986_original.jpg

Tempos atrás em nosso site da Associação Brasileira de Pedagogia Espírita, num desses debates acalorados que provocamos no movimento espírita, lançamos um abaixo assinado, pontuando algumas questões relativas a certas declarações de Divaldo Franco. Os que assinamos esse documento nos autodeclaramos espíritas progressistas.

Ver o post original 878 mais palavras

Anúncios

Vzla

Daquelas coisas que a gente sabe que vai se ferrar, mas assim mesmo insiste… Tempos difíceis para quem não se entrega pela metade e opta por sentir en profundidade, sem meias palavras ou meio bem querer. Cada vez é uma navalhada algumas vezes superficial outras tão fundas que tocam a alma. Dessa ainda não sei o quão fundo foi, mas daquelas que a gente olha e imagina a criançada correndo na sala.

encontros

se eu tivesse uma filha, gostaria que ela fosse como a Isa… então hoje ao ver seu sepultamento diria que perdi a filha que não tive… obviamente não há como comparar com a dor que a família e as pessoas que conviveram com ela estão sentindo… mas… se eu tivesse tido uma filha, gostaria que fosse como ela… enfim, daqueles encontros que a gente não imagina e nem espera que aconteçam e quando acontecem, são verdades incontestes… escondo minha lágrima porque ela é a dor de quem fica, mas foi tão bom sentir felicidade ao ver a felicidade dela, que penso tenha sido essa a maior lição aprendida nesse curto espaço de tempo…

obrigado Isa por ter me permitido sentir isso… infelizmente você não será a madrinha do meu casamento como você me disse que seria e eu não irei na sua colação de grau no curso de jornalismo que você tanto sonhou como eu lhe disse, mas tenho certeza que você seria uma jornalista foderosamente fodástica!! deixo o título desse texto apenas como “encontros”, porque as despedidas são sempre um até já… cê tá sempre aqui ❤

Guimarães Rosa: diplomata

Arauto Diplomático

“… um diplomata é um sonhador e por isso pude exercer bem essa profissão (…) … eu jamais poderia ser político com toda essa constante charlatanice da realidade. O curioso no caso é que os políticos estão sempre falando de lógica, razão, realidade e outras coisas no gênero e ao mesmo tempo vão praticando os atos mais irracionais que se possam imaginar. Talvez eu seja um político mas desses que só jogam xadrez, quando podem fazê-lo a favor do homem. Ao contrário dos ‘legítimos’ políticos, acredito no homem e lhe desejo um futuro. Sou escritor e penso em eternidades. O político pensa apenas em minutos.Eu penso na ressurreição do homem”.

“… considero o idioma como uma metáfora da sinceridade”.
(Coutinho, 1983: 77/78).

In: ARAÚJO, Heloísa Vilhena de.
Guimarães Rosa: diplomata/Heloísa Vilhena de Araújo.- Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2007. D
isponível no site da Fundação Alexandre…

Ver o post original 16 mais palavras

calma

Depois de algum tempo, experimentei uma calma que há meses não sentia… Não significa que já esteja tudo certo, apenas que descobri que há sim um bem querer perdido no meio de uma selva de medos sem saber como sair… 

Desgraçadamente a lei de afinidade é uma realidade! Em certo momento da minha vida me isolei, criei um muro ao meu redor, tranquei o portão e joguei a chave fora ficando sem saber como sair… Quem foi que a vida me trouxe? Alguém passando num momento muito parecido… Quiçá eu consiga encontrar a chave que abre o portão e consiga tirá-la de dentro…

Sei enquanto religioso que nada acontece sem que a gente tenha alguma necessidade relacionada com o problema… Talvez todos esses anos de exilio do amor tenham sido uma ótima escola, das lágrimas roladas todos esses anos no canteiro da vida, agora floresce algo que desconheço, algo talvez como a reciprocidade… Entretanto ainda é cedo para dizer, porém, parece ser… ou como sempre, a esperança que de fato seja…