Sobre Juan Gamarra

Analista Internacional

dia dos namorados

2007, 08, 09, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19 e 20. Resumindo, 14° dia dos namorados sozinho. Primeiro começa com um medo, cagaço mesmo, de se envolver com alguém filhadaputamentecanalha mais uma vez e acaba por se trancafiar num castelo e jogar a chave fora.

Você tem alguém que lhe enche de alegria nos dias ruins? Preserve, ame, cuide! Tem alguém para quem voltar? Volte mesmo, não desvie no meio do caminho. Amor é coisa rara. Cuide do seu amor.

8m

Ela é linda? Sim! Mas antes de tudo, ela é foda!! Admiro a coragem! E quanto de coragem há nesse metro e meio!! Me fascina!! Nesse dia de rememorar a luta por emancipação e de igualdade de direitos, me sinto pequeno perto dela. Tá aí anotado para depois.

ela2

Hoje eu a vi e foi bom. Das dúvidas que me questionei hoje ao acordar, pedindo para que Deus me mostrasse se o que acontecia aqui dentro do peito, era verdadeiro e real, as pernas bambas, o coração disparado e as mãos trêmulas, deram a resposta.

O profundo que me toca a sua voz, me descompassa o coração. Talvez por essas emoções sentidas através dos sons, me fizeram músico, amador é verdade, mas músico.

Hoje eu a vi e foi bom. Ao mesmo tempo que me desregula o coração, acalma os meus demônios internos. Talvez isso seja aquilo que a gente busca num outro alguém, talvez seja isso que a gente chama de amor, não sei, não tenho experiência nisso apesar dos meus quarenta e cinco.

Hoje eu a vi e foi bom. O que será daqui para frente? Não sei dizer, apenas sei que meu coração nesse exato momento se alegra pela existência dela. Como, ou se, irá se resolver isso, entrego para Deus, as mentiras contadas para ela, a deixaram a um abismo de distância. As minhas verdades foram transformadas em mentira.

Hoje eu a vi e foi bom. Nada fica oculto, nada fica sem resposta, nada fica sem retorno. O escândalo é necessário, mas ai daquele. Cresci como pessoa, endureci o couro, bebi o fel que me deram, chorei… Contudo, filho de xangô verga, mas não quebra! E vê-la me encheu o coração de alegria. Enfim… O que tiver que ser, será!

o tempo e as suas relatividades

Faz um mês… Ao mesmo tempo que parece que foi ontem, parece que passou um ano… Isso não tem relação com ela, mas sim comigo… Somos meros desconhecidos de nós mesmos, não sabemos como vamos reagir, muito menos como vamos nos sentir, até que os eventos se tornem passado… Não há outro meio… Parece que foi ainda ontem que ouvi a sua risada e as vezes ainda acho que encontrarei o seu carro estacionado… Enfim, todos os que passam pela vida da gente, deixam algo em nós e por sua vez levam algo de nós… O que ela deixou perfuma ainda minha vida e o que ela levou? Não sei, tentei que fosse o melhor de mim… Quem sabe ainda floresça e frutifique… Mas isso? Só o tempo para me dizer…

insonia

Aquela velha companheira despudorada que chega sem avisar. O pensamento tem o destino, o rosto e o sorriso certos, pois de tanto decorar minha memoria com estes e espalhar a sua risada pelos cantos, parece que tomou corpo e do alto do seu metro e meio, se agiganta lado a lado com a minha insônia. Diria que, escolher sentir em sua totalidade, ainda que não  seja fácil, a alternativa é sentir um oco no peito, simplesmente não dá. Sentir nos faz vivos e não meros cadáveres adiados.